Nutrientes antioxidantes na performance da corrida

É sabido que a prática de exercícios predominantemente aeróbicos aumenta a produção e liberação de radicais livres, order espécies geradas pelo nosso próprio organismo a partir do oxigênio. A formação e liberação excessiva destas substâncias, os radicais livres, acarretam destruição celular, podendo  causar no esportista:

– Queda no rendimento;

– Diminuição da capacidade de recuperação muscular;

– Aumento da incidência de infecções, principalmente no trato respiratório, decorrentes da queda do sistema imunológico;

– Perda de massa muscular.

Em virtude desta liberação excessiva de radicais livres, nosso organismo se defende, produzindo enzimas antioxidantes, que destroem essas moléculas, para que elas não consigam afetar negativamente o metabolismo. As enzimas responsáveis por essa defesa orgânica são a Superoxido Dismutase e a Glutationa, porém, para que nosso organismo consiga produzi-las, é necessária a presença de alguns nutrientes, e além destas enzimas, nosso corpo necessita de outros nutrientes para se defender, portanto, a dieta de um esportista deve conter um verdadeiro arsenal antioxidante:

– Manganês: antioxidante formador de enzima, encontrado no damasco e no pêssego, nas oleaginosas como avelã e amêndoa, na aveia, quinua e amaranto, cereais que precisam fazer parte do cardápio;

– Cobre: outro mineral formador de enzima, encontrado em pescados, oleaginosas, quinua, aveia, semente de girassol e de abóbora, além de bife de fígado e frango;

– Zinco: mineral formador de enzima, que exerce papel fundamental no sistema imunológico, encontrado em pescados (frutos do mar: ostras, mariscos), leguminosas como feijão, lentilha, soja e grão de bico, bife de fígado, aveia, quinua, amaranto, oleaginosas.

– Selênio: último mineral citado na formação enzimática, abundantemente encontrado na castanha-do-Pará, milho verde, feijões, peixes.

– Vitamina C: vitamina chamada também de ácido ascórbico, promove intensa varredura nos radicais livres, encontrada na goiaba, acerola, laranja, caju, kiwi, cenoura crua, pimentão cru, limão, morango e abacaxi.

– Vitamina E: fechando o arsenal com um nutriente encontrado nos óleos vegetais tais como: azeite de oliva, óleo de girassol, óleo de linhaça, germe de trigo, aveia e quinua.

Desta maneira devemos pensar nestes alimentos para adequar nossa dieta à atividade fisica de intensidade moderada e alta, em especial atividades aeróbias, como é o caso da corrida!

Que bons sopros lhes guiem!

Por
Cláudio Chináglia
Startmove Assessoria Esportiva

Você também pode se interessar por:

Corrida: do zero aos 21!
Atividade Física e Saúde
Pré-Treino (parte 1)
Os Enigmas da Corrida!
42,195 km - de que planeta eles são? Londres 2012!