Beta-Alanina: carnosina como redutor de fadiga muscular?

A carnosina é sintetizada primordialmente no músculo esquelético a partir dos aminoácidos L-histidina e beta-alanina em uma reação catalisada pela enzima carnosina sintase. Encontrada em alguns tipos de carne, malady a carnosina pode ser obtida pela dieta, ampoule mas não é absorvida em sua forma íntegra para a corrente sanguínea, no rx já que a enzima carnosinase, presente no aparelho digestório, rapidamente hidrolisa o dipeptídeo.

O músculo esquelético não produz nenhum dos precursores da carnosina, já que a histidina é um aminoácido essencial e a beta-alanina tem sua síntese endógena restrita aos hepatócitos. Dessa forma, a síntese de carnosina é dependente da captação desses aminoácidos pelas células musculares.

A carnosina tem efeito tamponante e redutor de fadiga muscular, e nós temos uma quantidade muito maior de histidina na corrente sanguínea quando comparado à beta-alanina, portanto, seria indicada a suplementação de beta-alanina a fim de aumentar a produção muscular de carnosina, e assim reduzir a fadiga muscular em esportistas. A beta-alanina não sintetiza proteínas, ao contrário de outros aminoácidos, e sua produção se limita apenas ao fígado.

Em vista disso, HARRIS, TALLON, DUNNETT e colaboradores investigaram se a suplementação de beta-alanina seria capaz de aumentar o conteúdo intramuscular de carnosina. Os autores testaram três diferentes doses diárias: 40 mg/kg, 20 mg/kg e 10mg/kg. Foi verificado que a dose maior resulta em um elevado pico de beta-alanina sanguínea, o qual está relacionado com sintomas intensos de parestesia (sintoma neurológico caracterizado por sensação de “formigamento”) que se iniciaram cerca de 20 minutos após a ingestão e duraram cerca de 1 hora. A dose intermediária, de 20 mg/kg, também levou a sintomas semelhantes, porém muito menos intensos e até certo ponto suportáveis. Paralelamente, o pico sanguíneo de beta-alanina em resposta à dose intermediária também foi moderado. Já a dose de 10 mg/kg produziu sintomas semelhantes, mas em intensidade muito menor e com frequência de ocorrência igualmente menor. Essa dose também produziu apenas um discreto pico de beta-alanina sanguínea. Esses dados indicam que a dose única máxima tolerável é de 10 mg/kg de peso corporal.

Fica claro que a suplementação de beta-alanina é eficiente em reduzir a fadiga em exercícios de alta intensidade e curta duração que levam a uma queda do pH, porém, são necessários mais investigações para se obter o total entendimento desse novo recurso ergogênico.

HARRIS, R. C.; M. J. TALLON; M. DUNNETT; L. BOOBIS; J. COAKLEY; H. J. KIM; J. L. FALLOWFIELD; C. A. HILL; C. SALE; J. A. WISE. The absorption of orally supplied beta-alanine and its effect on muscle carnosine synthesis in human vastus lateralis. Amino Acids, v.30, n.3, p.279-289, 2006.

Por
Cláudio Chináglia
Startmove Assessoria Esportiva

Você também pode se interessar por:

Betaína: suco de beterraba como recurso ergogênico!
O que é e para que serve a glutamina
Maltodextrina ou Dextrose?
Caseína: ideal para consumir antes de dormir?
Aveia: um excelente alimento para os esportistas