Respeite seu corpo

Muitas pessoas me procuram pelo mesmo motivo, physician a dor: “- O que eu faço para passar essa dor aqui….”, “ – Dói quando faz isso…”, “- Tô alongando muito agora, por causa desta dor…”. Na verdade muitas informações, deduções e principalmente conclusões desencontradas para, na hora do desespero, tentar solucionar rapidamente um problema. Na verdade solucionar o efeito e não a causa!

Gosto de falar primeiramente que a dor não é o vilão da história e está muito mais para mocinho, ela nada mais é do que uma maneira do nosso corpo se comunicar avisando que algo está errado ou prestes a ficar pior. Na grande maioria das vezes negligenciamos os pequenos sinais de incômodo e continuamos realizando a atividade ou exercício, não reduzimos a intensidade/volume do treino, não aumentamos o tempo de repouso ou a recuperação, etc.

Pior…, em muitos casos a solução é tomar um anti-inflamatório (por conta própria) e mandar ver nos treinos! Nesse caso, o medicamento pode trazer a diminuição da dor e não necessariamente a solução do problema, e com a continuação da atividade (mecanismo de lesão), o problema tende a ser potencializado assim como suas conseqüências, podendo levar a um longo tempo de inatividade, à passagem de uma lesão aguda para crônica e a outras lesões associadas.

Outro erro que considero crucial é o exercício de alongamento pós-sintomatologia! Não devemos nos esquecer que os alongamentos e treinos de flexibilidades são exercícios preventivos e não curativos, principalmente durante a fase aguda do tratamento. Imaginem uma lesão por contratura ou estiramento, as fibras musculares estão tensas, lesadas, danificados ou no limiar da lesão e em seguida expomos estas “coitadas” a um estiramento excessivo… Tá na cara que isso não solucionará nosso problema, muito pelo contrário, podemos estar aumentando os micro-traumas no tecido muscular.

De uma maneira geral, converse com seu corpo, respeite o biofeedback, diminua o volume e a intensidade ao primeiro sinal de dor, dê a mesma importância à recuperação que ao estímulo durante os treinamentos, procure um médico do esporte ou fisioterapeuta, não se auto-medique, faça os trabalhos de alongamentos, flexibilidade e fortalecimento como prevenção e não como tratamento imediato, mas acima de tudo procure alguém habilitado para montar seu treinamento… Pois correr não é simplesmente sair correndo!

Por
Sandro Rodrigues dos Santos
Startmove Assessoria Esportiva

Você também pode se interessar por:

Dicas de Liderança!
Maratona de São Paulo: quase tudo bom!
Corrida Atitude Bosch
Treinos x Final de Ano
STARTMOVE em Congresso Internacional sobre a Medicalização